sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Facebook testa recurso que permite ler posts mais tarde

Reprodução - MyTechSckool
O Facebook está testando um recurso que permite salvar posts para serem lidos mais tarde, assim como acontece no aplicativo Flipboard, por exemplo. 

A ferramenta ainda não tem previsão de chegar ao público e, de acordo com uma entrevista do All Things D com um porta-voz do Facebook, a empresa está "sempre testando novos recursos, mas não temos nada de novo para compartilhar no momento".

A descoberta do novo recurso foi feita por um blog chamado MyTechSckool, que identificou uma opção no menu do feed de notícias da rede social. Os posts seriam agrupados em um aba chamada "Saved", ou seja, "salvo", em português.

Vale lembrar que no começo deste ano, o CEO do Facebook Mark Zuckerberg disse que queria oferecer a todos os "melhor jornal personalizado do mundo".

Cientista descobre como imprimir baterias e circuitos eletrônicos

Technology review
A cientista de materiais Jennifer Lewis, de Harvard, desenvolveu uma técnica para imprimir baterias. A descoberta ainda está no estágio inicial, mas já permiti utilizar impressoras 3D para criar outros dispositivos eletrônicos, como antenas, eletrodos e fios.

A “tinta” é feita de um composto especial, que mistura nanopartículas de lítio, titânio, água deionizada e álcool. A composição se transforma em um líquido que, quando colocado sobre uma placa, seca rapidamente.

Isso tudo pode ser feito em condições normais de temperatura, dispensando equipamentos profissionais. Ou seja: as pessoas poderiam fabricar dispositivos eletrônicos em suas próprias casas. Sim, seria uma revolução.

Além disso, as baterias impressas por Lewis têm apenas um milímetro quadrado, mas funcionam como baterias comerciais. Isso porque a cientista consegue regular toda a arquitetura em escalas muito pequenas, com precisão de 100 nanômetros.

Lewis continuará a trabalhar na inovação e pretende comercializá-la "em poucos anos". A cientista e seu grupo já detém mais de oito patentes relacionadas à tecnologia.

Jovem brasileiro processa app Lulu por danos morais

Divulgação
O aplicativo Lulu continua incomodando homens preocupados com as avaliações feitas pelas usuárias do programa. Desta vez, um estudante brasileiro resolveu entrar com um processo na Justiça contra o app por danos morais. 

O estudante de Direito, de 26 anos, alegou que se sentiu ofendido com as avaliações em que foi marcado como “mais barato que um pão com manteiga”, “bafo da morte” e “aparadinho”.

Pelo app, as mulheres podem avaliar de forma anônima seus contatos no Facebook e os homens têm acesso apenas à média final dessas avaliações. 

No processo, protocolado na terça-feira (26) e distribuído à 2ª vara do JEC de Vergueiro (SP), o estudante pede por uma indenização de R$ 27 mil por danos morais à sua imagem e pede a exclusão imediata de seu perfil no aplicativo. 

A liminar inicialmente foi indeferida pelo juiz, que alegou que o próprio usuário poderia excluir seu perfil. No entanto, o magistrado solicitou que o Facebook se manifestasse em até 10 dias sobre o fato de haver problemas técnicos para excluir o app.

“É notória a imprudência praticada pela ré, porquanto se utiliza das informações pessoais do autor expondo sua honra, bom nome e a intimidade à milhares de usuárias do programa, violando flagrantemente preceitos e garantias constitucionais", cita o estudante no processo. 

Porém, o Facebook, em sua página de termos do serviço, afirma que o aplicativo não viola as políticas da rede social, pois o mesmo utiliza apenas informações básicas que já são compartilhadas com qualquer aplicativo. Além disso, ao se inscrever no Facebook o usuário concorda em compartilhar seus dados com terceiros. 

Aplicativo - O aplicativo Lulu, criado pela jamaicana Alexandra Chong, tem pouco mais de uma semana de existência no Brasil e já está no ranking dos mais baixados da Apple Store e da Google Play.

Por meio do programa mulheres avaliam homens de forma anônima. Ao fazer login com um perfil do Facebook, a usuária pode dar notas e atribuir qualidades e defeitos a todos os seus amigos do sexo masculino.

Mas para os mais indignados e insatisfeitos há uma forma de deletar o perfil do aplicativo. Basta acessar o link http://company.onlulu.com/deactivate e pedir a remoção de seu perfil. Se houver falhas, pode repetir o procedimento ou enviar um e-mail, indicando seu perfil para “iwantout@lulu.com” e esperar que os responsáveis pelo aplicativo retirem-no do ar. 

Homem joga fora HD com R$ 17 milhões em bitcoins

"Guardei o HD em uma gaveta por três anos e esqueci completamente dos bitcoins", disse o profissional de tecnologia da informação James Howells

AFP
17,418 milhões de reais. Esse é o valor atual das 7.500 unidades da moeda virtual chamada bitcoin armazenadas em um HD que o profissional de tecnologia da informação James Howells jogou fora, de acordo com a BBC.

Howells não pagou quase nada pelos bitcoins em 2009 e poderia agora ser um milionário: o valor do bitcoin chegou a 1.000 dólares nesta semana, ou seja, 2.322 reais.

Após ter derramado uma bebida sobre seu computador, o morador do País de Gales, no Reino Unido, o desmontou e removeu o HD.

"Guardei o HD em uma gaveta por três anos e esqueci completamente dos bitcoins", disse Howells.

Neste ano, ele resolveu jogar fora antigos equipamentos de TI e o HD foi um dos que foi para o lixo. "Quando eu descobri qual era o valor do bitcoin, a ficha caiu e eu percebi que os bitcoins que eu tinha "mineirado" estavam no HD que eu joguei fora."

Howells chegou a ir ao aterro sanitário local, mas descobriu que todo o lixo com mais de três meses já havia sido enterrado a três ou cinco metros de profundidade. Seria necessária uma equipe de 15 ou 20 pessoas com equipamento e proteção.

"A verdade é que eu não tenho o dinheiro para fazer isso acontecer no momento, sem um valor de retorno garantido", disse.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

iOS paga até 5 vezes mais para o desenvolvedor que o Android

Reprodução
O Android tem se tornado uma plataforma cada vez mais rentável para os desenvolvedores, mas pelo menos neste quesito, ainda fica muito atrás do iOS. Conforme o gráfico publicado pelo Business Insider, o aplicativo lançado para os dispositivos da Apple chega a render até 5 vezes mais do que sua contrapartida no Google Play.

O gráfico mostra que para cada dólar gerado no iOS por download, apenas US$ 0,19 são levantados no Android. As compras dentro dos aplicativos também são cruéis, com apenas US$ 0,24 feitos para cada US$ 1 no sistema da Apple.

Em publicidade móvel, a diferença é um pouco menor, mas ainda é relevante, com US$ 0,77 no Android para cada US$ 1 no iOS. Confira o gráfico:

Reprodução

Ressurgimento de software da Nokia desafia o Android

A Jolla Oy, fabricante finlandesa de smartphones fundada por ex-engenheiros da Nokia, está se tornando um desafio à Apple e à Google

Divulgação
A Jolla Oy, fabricante finlandesa de smartphones, fundada por ex-engenheiros da Nokia Oyj, está se configurando como um desafio à Apple Inc. e à Google Inc. depois que seus primeiros aparelhos foram esgotados por consumidores ávidos por uma mudança.

A empresa esgotou os primeiros lotes de sua produção porque os consumidores haviam encomendado dezenas de milhares de seu primeiro produto, e as primeiras 450 unidades foram entregues aos usuários em um evento, ontem, em Helsique.

Mais do que tentar competir sozinha no negócio de hardware, a Jolla, com sede em Helsinque, está tentando concorrer com sistemas como o Android, do Google, ao fornecer software para as fabricantes de aparelhos, um mercado para o qual as margens de lucro são normalmente mais elevadas.

Seu primeiro aparelho próprio foi pensado para ser um produto de referência e mostrar o que o sistema operacional da empresa é capaz de fazer.

“Este é um produto no qual nossa empresa pode introduzir nossas visões ideais de como acreditamos que o telefone celular deveria ser”, disse Antti Saarnio, presidente e cofundador da Jolla, em entrevista. “Pelo lado do negócio, estamos falando sério. Contando nosso próprio aparelho e os de nossos parceiros, esperamos vender milhões de telefones”.

O aparelho da Jolla custa 399 euros (US$ 542) sem os subsídios de operadoras de telefonia. O preço inclui impostos na União Europeia. A empresa recebeu encomendas de 136 países e planeja começar a vender aparelhos no resto da Europa e na China em 2014.

Controles de gesto

O telefone usa um sistema operacional chamado Sailfish, que é baseado no software MeeGo, abandonado pela Nokia depois de sua escolha pelo Windows Phone, da Microsoft Corp. O melhor recurso da plataforma é sua capacidade de rodar diversos aplicativos ao mesmo tempo, disse Henri Huttunen, 18. Ele foi a primeira pessoa a comprar um smartphone Jolla, ontem.

“O principal motivo que me levou a escolher a Jolla foi minha experiência com o Nokia N9, que eu acho que foi o melhor e mais intuitivo smartphone que eu já usei”, disse ele, em entrevista em Helsinque, segurando o telefone, branco, fora da caixa. “Esse é praticamente o sucessor”.

A tela sensível ao toque (touch screen) do smartphone parece diferente daquelas de aparelhos Android e Apple e as funções são controladas de uma maneira singular.

Sem botões

“Nós fizemos com que fosse muito fácil ir para trás e para frente sem que houvesse botões”, disse Marc Dillon, outro cofundador e chefe do negócio de softwares da Jolla, em entrevista. “Há realmente apenas dois gestos simples: tocar a partir da borda da tela e tocar a partir do centro da tela”.

Para assegurar que os usuários possam acessar milhares de aplicativos desde o início, a Jolla tornou o telefone compatível com os aplicativos Android vendidos por meio da Yandex NV, uma concorrente russa do Google. Contudo, ganhar os corações dos desenvolvedores de software e construir uma variedade de aplicativos competitivos para o Sailfish é um desafio, disse Richard Windsor, analista independente da Radio Free Mobile.

“Um dos maiores problemas que eles terão é o acesso aos desenvolvedores”, disse Windsor. “Eles implantaram um emulador que engana” os aplicativos, fazendo-os “pensar que estão rodando em um aparelho Android. Eu não sei se funciona bem. Historicamente, os emuladores têm sido simplesmente terríveis”.

Um dos maiores investidores da Jolla é a Express Fortune, com sede em Hong Kong, uma unidade da China Fortune Holdings Ltd. que comprou uma participação de 6,25 por cento da Jolla por 1 milhão de euros, em 18 de fevereiro, operação parcialmente relacionada com um anterior acordo de bônus conversíveis. Os fundadores da empresa têm a maioria das ações.

A empresa planeja se expandir por meio de potenciais parceiros no comércio eletrônico, como a Alibaba Group Holding Ltd., a Tencent Holdings Ltd. e a Baidu Inc., fornecendo a elas um sistema operacional para que construam versões móveis de seus serviços de comércio eletrônico. “O Sailfish é uma plataforma por meio da qual outros players podem oferecer seus serviços”, disse Saarnio. “É por isso que nós existimos, basicamente”.

Aplicativo faz mapeamento de estradas federais

O programa para celular e internet destrincha o perfil dos acidentes registrados na malha rodoviária do Brasil

Divulgação
Um raio X detalhado e inédito da situação das estradas federais mostra que 88.979 acidentes foram registrados na malha rodoviária no primeiro semestre deste ano - ao todo, 3.165 pessoas morreram no período, ou mais de 17 por dia.

As estatísticas são da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e constam de um novo aplicativo para celular e internet que destrincha o perfil dos acidentes viários nas artérias que cortam o Brasil. Há dados disponíveis desde o primeiro semestre de 2007.

Entre janeiro e junho deste ano, 46.584 pessoas ficaram feridas em ocorrências nas rodovias federais, revela a ferramenta. O trecho mais crítico vai do quilômetro 200 ao 210 da BR-101, em Santa Catarina.

Ali, a PRF anotou 718 acidentes, com 302 feridos e 4 mortes.

No caso do Estado de São Paulo, a Via Dutra, que passou para a administração da iniciativa privada em 1996, é a mais perigosa entre as federais. Em solo paulista, existem outras estradas da União, como a Fernão Dias e a Régis Bittencourt, que, na prática, é a continuação da BR-116, a mesma designação federal que recebe a Via Dutra.

No primeiro semestre, houve 435 acidentes e 5 mortes entre os km 220 e 230, em Guarulhos, na Grande São Paulo, o que coloca a Via Dutra na nona posição do ranking de trechos mais violentos das federais no País. Outros dois trechos no Estado estão entre os 50 mais perigosos do Brasil: o que vai do km 210 ao 220, também em Guarulhos, e o do km 140 ao 150, em São José dos Campos.

Esses são justamente dois dos três pontos da rodovia onde tradicionalmente costumam haver congestionamentos, por causa do excesso de veículos - o outro fica na chegada a São João do Meriti, na Região Metropolitana do Rio.

Lentidão

O anda e para frequente dos horários de pico ajuda a explicar boa parte dos acidentes da rodovia. Segundo a PRF, o tipo mais comum de ocorrências no trecho mais crítico, em Guarulhos, são as batidas traseiras. Elas respondem por quase metade dos acidentes naquela altura da estrada.

Dono de um guincho há mais de 30 anos, Edson Correia de Araújo, de 59, reconhece a imprudência do motorista como o maior fator de colisões. "Ninguém quer assumir. Todos falam que foram fechados por um caminhão. A gente até brinca que nunca encontraram esse caminhão", diz.

Pelos dados da PRF, a falta de atenção é a principal causa de acidentes. O chefe do Departamento de Medicina de Tráfego Ocupacional da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), Dirceu Rodrigues Alves Júnior, explica que celulares e aparelhos de GPS podem distrair o motorista em trechos congestionados. "A lentidão também pode levar ao estresse, que tira a vigília."

A concessionária CCR Nova Dutra atribui os acidentes ao excesso de veículos nos três trechos. Entre os km 220 e 230, por exemplo, são 239 mil veículos por dia, nos dois sentidos.

Régis

O trecho mais problemático da Régis Bittencourt em São Paulo fica perto da divisa com o Paraná, em Barra do Turvo, entre os km 560 e 570. De acordo com a PRF, foram registrados 219 acidentes, com 55 feridos e uma morte. No mesmo período do ano passado, houve 257 ocorrências no local, marcado por curvas sinuosas e aclives e declives, nos dois sentidos.

Segundo a concessionária Autopista Régis Bittencourt, os acidentes mais comuns nesse trecho são capotamentos, saídas da pista e colisões com objetos fixos, "com maior incidência de ocorrências em pistas molhadas".

A empresa divulgou, em nota, que "neste trecho trabalham dez veículos operacionais para inspeção da rodovia e atendimentos às ocorrências de acidentes e incidentes, com monitoramento 24 horas".

Tor pode deixar a internet toda invisível a espiões

Reprodução
Enquanto o pessoal que trabalha na construção do HTTP 2 tenta fazer com que toda a internet seja criptografada de forma padrão, há quem pense que a rede deveria adotar o esquema de distribuição de acessos do Tor, o que deixaria praticamente todos os internautas no escuro para os espiões.

O Tor é a principal via de acesso à deep web, camada da rede que não pode ser indexada por buscadores. Além disso, ele provê navegação anônima ao criar vários pontos de acesso entre o internauta e o site: a página fica sabendo de onde veio o último nó, mas não o anterior, ou o anterior a este. Esse princípio é o que alguns consideram ideal para transformar a internet toda em um espaço livre de monitoramento.

Stephen Farrel, cientista da computação da Trinity College, em Dublin, disse à revista digital do MIT que o Tor não deveria operar como uma ferramenta separada, como é hoje. E a solitiação vem sendo analisada, pois Andrew Lewman, diretor-executivo do Tor, afirmou que a organização considera a criação de um padrão para o serviço que possa ser adotado em grande escala.

Ferramentas do Google serão usadas em escolas de SP

Governo lançou parceria para capacitar professores para o uso das ferramentas tecnológicas, como o Docs, o Gmail, o calendário e o Google+

Getty Images
O governo de São Paulo lançou nesta quarta-feira, 27, uma parceria com o Google para capacitar professores de toda a rede estadual para o uso das ferramentas tecnológicas do Google - como o Docs, o Gmail, o calendário, o Google+ (a rede social do Google), as videoconferências via Hangout e a possibilidade de publicação de vídeos online.

A expectativa é atender a todos os 4,3 milhões de alunos e treinar todos os professores da rede. O anúncio foi feito na manhã desta quarta, no Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, na zona sul de São Paulo.

A plataforma é a mesma que existe hoje para os usuários do Google, mas terá um formato fechado para a Secretaria Estadual de Educação, que fará o gerenciamento dos aplicativos e do conteúdo. Todos os professores da rede serão treinados a usar essa tecnologia no próximo ano letivo, em 2014, pela Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores (Efap).

"Vamos dar um salto importante para a educação e para os nossos alunos. A plataforma vai criar um ambiente mais colaborativo na rede e as aulas vão sair dos muros das escolas", afirmou Alckmin na coletiva de imprensa. Segundo ele, o governo não terá custos para obter as ferramentas tecnológicas, que foram cedidas gratuitamente pela empresa.

Personalizado

Nesse pacote do Google para as escolas estaduais, os alunos terão e-mails com capacidade de 25 GB e acesso à rede social específica da secretaria - a versão gratuita do e-mail permite 1 GB. Eles também poderão compartilhar arquivos por meio do Google Drive de até 25 GB - na versão grátis, são 10 GB. Eles poderão fazer trabalhos simultaneamente nos mesmos arquivos, ter tutoria dos professores e também vão poder assistir a aulas ao vivo pelos hangouts.

A assessoria da Secretaria Estadual de Educação afirmou que as aulas online não vão substituir as aulas presenciais e não serão obrigatórias - elas funcionarão como um complemento da formação dos alunos.

Microsoft

Essa não é a primeira parceria da secretaria com uma empresa de tecnologia. No dia 31 de outubro, foi fechado um acordo com a Microsoft para fornecimento gratuito de programas do pacote Office para todos os estudantes das escolas estaduais de São Paulo.

Cada um dos estudantes terá direito a cinco licenças do pacote Office, com programas como Word e Power Point, que podem ser usadas na escola ou em casa. A expectativa da secretaria é articular o convênio a outros projetos tecnológicos da pasta, como o Acessa Escola, programa de inclusão digital e de acesso livre à internet nos colégios, e a Escola Virtual do Estado de São Paulo (Evesp), que oferece cursos interativos de idioma e preparatórios ao vestibular.

De acordo com a Microsoft, este é o maior projeto de oferta gratuita de softwares oferecido pela companhia em todo o mundo. Prefeituras e escolas privadas também podem buscar a empresa para firmar o mesmo convênio. A expectativa é que a distribuição dos programas comece no primeiro semestre de 2014.

Samsung lança plataforma de conteúdos

A fabricante contará com uma plataforma de oferta de música, filmes, livros, conteúdo educacional e games

Justin Sullivan/AFP
A Samsung apresentou nesta quarta, 27, seu Media Solution Center, que tem a missão de fortalecer os produtos da marca por meio de conteúdos e serviços. A fabricante contará com uma plataforma de oferta de música, filmes, livros, conteúdo educacional e games.

Segundo a vice-presidente do Samsung Media Solution Center para a América Latina, Fiamma Zarife, o novo foco em serviços e conteúdos é global, com escritórios locais para buscar parcerias estratégicas com empresas regionais e apoiar o desenvolvimento de aplicativos diferenciados e exclusivos.

“Essas parcerias reforçam o compromisso da companhia em proporcionar conteúdo local relevante aos consumidores. Dessa maneira, a equipe do Media Solution Center da Samsung busca constantemente empresas nacionais que ofereçam novas soluções para adicionar valor aos dispositivos da empresa”, completa Fiamma.

Hub

Os conteúdos e serviços foram integrados em dois ambientes, o Samsung Hub e o Samsung Apps. O primeiro é um agregador que integra lojas virtuais de música, vídeo, livros, jogos e e-learning. Entre as parcerias fechadas pela Samsung estão a Warner Music, Warner Vídeo, Editoras Abril e Globo, livraria Saraiva, Maurício de Sousa Produções, Ediouro, Grow e Panda Books.

Segundo Fiamma, o Media Solution Center já vem negociando com agregadores de conteúdo audiovisual e, além disso, começa a buscar conteúdo diretamente com os produtores. Para isso, conta com equipe local para fazer a curadoria e negociação do conteúdo e, em breve, deve ter uma estrutura para encodar o conteúdo também localmente. Ainda em vídeo, a Samsung vem negociando a exclusividade de conteúdos brasileiros na primeira janela, de forma a valorizar a sua plataforma.

Apps

A Samsung Apps, loja de aplicativos da empresa, também busca a diferenciação através de conteúdos locais e serviços exclusivos, já tendo parcerias com empresas como Opera, Dafiti, Gameloft, Sega, Dropbox, Easy Taxi e Coquetel.

Segundo Fiamma, a área mais madura nos conteúdos e serviços do Media Solution Center é a de jogos, tendo parceria já estabelecida com os grandes desenvolvedores globais como Gameloft, Sega e EA. “A estratégia (regional) está muito alinhada com o mercado internacional. Queremos mudar isso”, diz a executiva.

Para tanto, a Samsung vai investir no desenvolvimento do mercado local. A primeira grande iniciativa é a criação de estúdio de jogos em Manaus, para capacitar profissionais e empresas no desenvolvimento de jogos. A cidade foi escolhida para a iniciativa pela forte parceria que a sul-coreana tem com as universidades locais. “Mas quero ter ‘filhotes’ do estúdio em outras localidades”, adianta Fiamma.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Moto G, o smartphone bom e barato da Motorola, ganha elogios

O Moto G, novo smartphone da Motorola, chama atenção por oferecer bons recursos a um preço que começa em 649 reais. Veja o que os críticos dizem sobre ele

Divulgação
Lançado no Brasil e em outros países neste mês, o Moto G, da Motorola, chamou atenção por oferecer recursos de smartphone intermediário por preços de aparelho básico, começando em 649 reais

O Moto G (seria G de Google?) é o irmão mais novo do Moto X, o smartphone de topo da Motorola, que custa 1.499 reais no Brasil. Sua limitação mais óbvia é que a conexão celular é 3G. Quem fizer questão do acesso rápido à internet proporcionado pelo 4G LTE deve buscar outro modelo.

Deixando isso de lado, o Moto G é uma ótima opção em sua faixa de preço. Ele tem uma espaçosa tela HD de 4,5 polegadas e um respeitável processador de quatro núcleos. Vem com Android 4.3 Jelly Bean e com a promessa de atualização, em janeiro, para a versão mais recente do sistema, a 4.4 KitKat. 

A configuração mais barata do Moto G tem apenas 8 GB de capacidade, muito pouco para quem armazena fotos, vídeos e músicas no celular. Por 799 reais, o Moto G Dual traz 16 GB, além de aceitar dois chips de operadora. 

A Motorola ainda oferece, por 999 reais, o Moto G Music, também com 16 GB. Essa variante do aparelho vem com um fone de ouvido supra-auricular da marca SOL Republic, com conexão sem fio Bluetooth.

O Moto G não permite a expansão da memória por meio de um cartão como acontece em outros smartphones com Android. Assim, vale a pena investir numa configuração com 16 GB de capacidade. Vejamos algumas avaliações de pessoas que testaram o Moto G:

Empresa brasileira mostra relógio que funciona como smartphone

Divulgação
A empresa brasileira Locke apresentou hoje o primeiro relógio inteligente que não depende de celulares ou tablets para acessar internet ou fazer operações telefônicas - como chamadas e envio e recebimento de mensagens.

O smartwatch vem com Android 4.0 e permite que o usuário baixe aplicativos da Google Play - entre eles, redes sociais como Facebook, Twitter, Google+ e YouTube. Também é possível instalar o WhatsApp e até o Skype.

Com tela de 1,54 polegadas, ele tem câmera de 3 megapixels, 4 GB de memória, processador dual-core de 1,2 GHz, acessa redes Wi-Fi e se conecta com aparelhos via Bluetooth. Há gravador de voz, rádio, entrada para microSD e Mini USB.

Inicialmente o produto poderá ser comprado apenas pelo site (aqui) por R$ 999. No segundo semestre de 2014, estará em lojas físicas.


Microsoft bloqueia censura do Skype na China, diz entidade

sit y-mba31/Flickr.com


A Microsoft dificultou o monitoramento de chamadas e chats em seu serviço de Skype na China, afirmou um grupo de defesa da liberdade de expressão, enquanto o governo chinês amplia sua censura sobre a Internet.

O Skype anunciou na segunda-feira ter encerrado uma joint venture de oito anos com a empresa sediada em Hong Kong TOM Group --que tem 51 por cento de seu capital detido pelo bilionário Li Ka-Shing--, firmando uma nova parceria na China.

"Depois de análise cautelosa do novo Skype, acreditamos que a Microsoft retirou todas as restrições de censura em seu produto na China", disse o grupo GreatFire nesta quarta-feira.

"Todas as chamadas dos usuários, chats e informações de login são criptografados e comunicados diretamente à Microsoft via HTTPS. Isso é completamente diferente da Microsoft na era TOM-Skype, quando todas as informações eram processadas e armazenadas pela TOM em servidores localizados na China, sem nenhum controle de privacidade."

Um porta-voz da Microsoft na China recusou-se a comentar e um assessor de imprensa da regional do Skype na Ásia-Pacífico não foi encontrado.

O novo parceiro do Skype na China é o Guangming Founder (GMF), uma joint venture entre o jornal Guangming Daily, sediado em Pequim, e o Founder Group, um conglomerado de tecnologia de Pequim estabelecido pela Peking University, de acordo com o novo site do GMF-Skype.

A parceria TOM-Skype foi alvo de críticas de grupos de defesa dos direitos humanos por permitir censura e vigilância. Estudos mostraram que o serviço TOM-Skype poderia ser alvo de monitoramento de seus usuários.

Microsoft quer criptografar seu tráfego na web

Empresa decidiu reforçar segurança depois do escândalo datagate

EPA
À luz do escândalo datagate, depois de Google, Facebook e Yahoo!, agora é a vez da Microsoft intensificar os esforços para criptografar seu tráfico na internet. As informações são do jornal Washington Post.

Segundo a publicação norte-americana, nos documentos de Edward Snowden sobre o sistema de espionagem da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA, na sigla em inglês) havia informações sobre a companhia, em particular em relação aos produtos Hotmail e Windows Live Messenger. A diretoria da empresa deve reunir-se ainda nesta semana para decidir qual método de segurança será adotado e quando.

Mas não somente as gigantes da tecnologia estão tentando aumentar suas barreiras de segurança. Os internautas também se equipam como podem, utilizando aplicações como Wickr, que "protege" as informações com um mecanismo de autodestruição de mensagens. Há alguns dias, o CEO da Wickr, Nico Sell, disse ao Financial Times que o aplicativo, lançado em 2012, teve o número de downloads mais do que duplicado depois do escândalo do datagate.

Gmail na Rússia

O Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB, na sigla em russo) recomendou a seus funcionários administrativos que não usem serviços de mensagens estrangeiros, principalmente o Gmail, do Google. A decisão foi tomada depois das revelações de Edward Snowden, que recebeu asilo político no país, segundo o jornal russo Izvestia.

Câmera Lytro arrecada US$ 40 milhões em rodada de investimento

Divulgação
A Lytro, empresa responsável pela câmera que define o foco da imagem depois do clique, recebeu US$ 40 milhões em uma rodada de investimento. O dinheiro levantado servirá para aplicar sua tecnologia a novas categorias de produtos.

O financiamento chega depois de a empresa demitir alguns funcionários sem motivo aparente. O CEO Jason Rosenthal não informou quantas câmeras a companhia vendeu, mas revelou que o número está 20% acima do planejado.

A Lytro, lançada em dezembro do ano passado, custa US$ 400 e tira foto capturando um plano inteiro de luz, enquanto as máquinas fotográficas tradicionais capturam apenas um momento de um ponto de luz. Com isso, usuários podem mudar o foco de uma foto depois de tê-la tirado.

'Ok, Google' agora funciona em desktops

Reprodução
O Google liberou uma extensão para o Chrome que permite que o internauta converse com o navegador quando precisar fazer uma pesquisa.

Ainda em beta (fase de testes), a novidade leva o "Ok, Google", presente em celulares com Android, para o navegador.

Basta instalar a extensão e autorizar o uso do microfone; então, sempre que quiser fazer uma pesquisa, basta dizer "OK, Google", e fazer a pergunta. O Chrome fará a ligação com o buscador.

Por enquanto a ferramenta só funciona em inglês americano. Para instalar, clique aqui.



Óculos especiais para médicos permitem ver por baixo da pele

Divulgação
Um novo gadget desenvolvido pela empresa americana Evena Medical pode solucionar o velho problema da enfermeira que não encontra a veia na hora do exame de sangue. A proposta do Eyes-On Glasses é permitir ao usuário ver claramente os vasos sanguíneos do paciente através da sua pele antes de dar a agulhada. 

O óculos de raio-X da Evena não se aplica apenas a esta situação, mas é uma daquelas que serão resolvidas com o produto. A tecnologia é similar a outros produtos da empresa, que, no entanto, são grandes demais e pouco práticas. O Eyes-On Glasses permitiriam uma utilização mais simples e eficaz, de forma bastante parecida com o Google Glass.

"Estudos mostram que 40% das injeções intravenosas requerem múltiplas tentativas para localizar e acessar a veia. Isso desperdiça o tempo dos profissionais, atrasa a terapia e causa desconforto e instaisfação do paciente", explica Frank Balll, presidente e CEO da Evena Medical. Ele aponta que o produto poderia ser usado até mesmo em ambientes clínicos complicados, como neonatal pediátrico.

A tecnologia empregada nos óculos de raio-X é da Epson. Com isso, o gadget coleta imagens em três dimensões. Ele pode diferenciar frequências de infravermelho, que identificam a quantidade de oxigênio do sangue para identificar a veia.

O produto funciona como um óculos de realidade aumentada, que sobrepõe a imagem gerada pelos óculos com a realidade. Ele possibilita o armazenamento de fotos capturadas no procedimento e as imagens podem ser enviadas para uma equipe médica via Wi-Fi ou Bluetooth.

A expectativa é que ele seja lançado já no primeiro trimestre de 2014. Confira o vídeo que mostra como ele funciona logo abaixo:

Mais caro do mundo, Wii U chega hoje ao Brasil por R$ 1.900

Divulgação
Dizer que um videogame no Brasil é o mais caro do mundo já é redundância. É assim com o PlayStation 4 (de R$ 4 mil), o Xbox One (de R$ 2,3 mil) e também com o Nintendo Wii U, que começa a ser vendido hoje no país por R$ 1,9 mil.

Enquanto nos EUA o console da japonesa é comercializado por US$ 300 (aproximadamente R$ 682), no México, o segundo lugar onde é mais caro, ele chega pelo equivalente a R$ 1.270 – R$ 630 a menos que aqui.

A Nintendo ainda não tem informações sobre como serão (ou se existirão) versões brasileiras para os serviços online, como a loja eShop e a NintendoTVii. Junto com o console vêm os seguintes games: Game & Wario, The Legend of Zelda: Wind Waker HD, LEGO City: Undercover, Nintendo Land, Pikmin 3, Super Mario 3D World, Wii Party U, The Wonderful 101.

O WiiU finalmente comporta vídeos FullHD (1080p) e tem como principal destaque o seu Gamepad, um controle com tela sensível ao toque embutida. Lançado há um ano, o videogame sofre para decolar. Especula-se que até o momento ele tenha vendido apenas 4 milhões de unidades. E, com a chegada do Xbox One e do PlayStation 4, a competição deve ficar mais complicada.

A pré-venda do WiiU no Brasil começou na madrugada do sábado, 9, apenas em lojas online.

Donos de Xbox One com defeito vão ganhar jogo

Divulgação
A Microsoft vai recompensar com um jogo digital gratuito os usuários norte-americanos que levaram para casa unidades defeituosas do Xbox One. Além da substituição do videogame, os prejudicados pela falha no drive de mídias ópticas podem escolher um entre os seguintes títulos: Dead Rising 3, Forza Motorsport 5, Ryse: Son of Rome e Zoo Tycoon.

"Enquanto o videogame para a troca está sendo enviado, queremos garantir que os consumidores consigam jogar. Por isso forneceremos um download gratuito de um jogo entre os títulos de lançamento da Microsoft Studios", afirmou a companhia ao site especializado Pollygon.

A Microsoft Brasil investiga se os usuários brasileiros que eventualmente tenham comprado a versão nacional do videogame com defeito também terão direito ao benefício.

O problema

Não são poucos os vídeos no YouTube mostrando o defeito. Quando um disco é inserido no drive, ele começa a fazer barulho como se estivesse sendo riscado e o console não reconhece o conteúdo da mídia.

Ao apresentar a falha, o console pode ou ficar com o disco parado dentro do drive e o usuário precisa retirá-lo de lá, ou "cuspi-lo" automaticamente para fora. A mídia, aparentemente, permanece intacta, mas o console não consegue lê-la.


Sono: gadget se torna isolante sonoro quando colado na janela; entenda

Divulgação
Mais do que isolar ruídos indesejáveis, o novo conceito com nome de "Sono" pode até filtrá-los, permitindo que o usuário, do lado de dentro, escute apenas o que deseja. Suponha que está chovendo, é madrugada, e você gostaria de ficar apenas com o som da chuva caindo. O dispositivo poderia isolar os ruídos de carros trafegando, por exemplo. Numa outra situação, quem mora perto de um grande parque em uma metrópole pode simplesmente passar a ignorar o tumulto da grande cidade e começar a acordar com o cantarolar dos pássaros.

O Sono é um aparelho pequeno que deve ser fixado em qualquer janela. Para entender como ele funciona, você precisa lembrar que o som, de qualquer natureza, pode ser entendido como ondas se propagando pelo ar. Ao atravessar um corpo, essas ondas provocam vibração. No caso da janela de vidro, diferentes sons causam diferentes vibrações. Em teoria, para anular os sons que tentam atravessar a janela é preciso que, do lado de dentro, outra coisa produza vibração na janela. Assim, as vibrações se anulam e o som externo não passa para o lado de dentro. É exatamente com esse princípio que os headphones cancelam ruídos externos.

Tudo isso em teoria porque, na prática, ainda não é possível sair de casa e comprar um Sono. Seu criador desenvolveu um protótipo que é capaz de reduzir sons externos até a casa dos 12 decibéis, o que significa que o aparelho teria boa capacidade para anular sons moderados, até 80 decibéis. Sons mais altos, contudo, ainda passariam pelo crivo do gadget.

O Sono é finalista do James Dyson Award, um dos concursos internacionais de design mais importantes do mundo. Para sair do papel, a ideia de Rudolf Stefanich precisa de financiamento e mais testes para refinar a proposta de trazer sossego para salas, quartos e residências do mundo todo.



Miguel Nicolelis mostra exoesqueleto controlado pela mente

Neurocientista brasileiro divulgou no Facebook as imagens do exoesqueleto que poderá auxiliar pessoas com paralisias severas na recuperação de seus movimentos

Miguel Nicolelis/Divulgação
O brasileiro Miguel Nicolelis, um dos neurocientistas mais importantes do mundo, divulgou nesta semana em seu perfil no Facebook as primeiras imagens do exoesqueleto robótico que poderá auxiliar um paciente tetraplégico a dar o pontapé inicial da Copa do Mundo 2014, que acontecerá no dia 12 de junho.

As fotos publicadas por Nicolelis mostram alguns detalhes da parte frontal e lateral da estrutura. Controlado pela mente, o equipamento faz parte do projeto “Andar de Novo”, iniciativa conduzida pela Universidade de Duke (EUA) e o Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra.

O experimento tem como objetivo construir no Brasil a primeira neuroprótese capaz de trazer a mobilidade de volta a pacientes com paralisias severas. E, ao que tudo indica, os cientistas envolvidos, liderados por Nicolelis, estão muito próximos de conquistar esta meta.

Em um pequeno vídeo, também publicado pelo neurocientista da rede social, é possível observar o exoesqueleto, que veste um manequim, fazendo um leve movimento para frente, como um chute.

Interface cérebro-máquina

Segundo Nicolelis, em artigo publicado no site da revista Brasileiros, experimentos com a primeira geração da chamada “interface cérebro-máquina” foram realizados em macacos. Com ela, estes animais conseguiram controlar movimentos usando apenas a sua imaginação.

De acordo com ele, os macacos foram capazes de executar tarefas a partir de braços e pernas mecânicos. “Utilizaram o seu próprio pensamento para jogar videogames ou mover objetos localizados próximos a si ou em ambientes remotos”, explicou o neurocientista.

Veja o vídeo publicado pelo pesquisador e que mostra o exoesqueleto robótico em ação.



terça-feira, 26 de novembro de 2013

Huawei anuncia o Ascend G506 produzido no Brasil

Divulgação
A Huawei anunciou nesta segunda, 25, o lançamento do seu segundo smartphone com produção no Brasil: o Ascend G506. O aparelho se junta ao modelo G510, anunciado em agosto e também fabricado em parceria com a Compal Electronics na planta de Jundiaí, interior paulista.

A diferença é que o G506 é um smartphone mais de entrada do que o G510 e tem preço sugerido de R$ 649. O novo aparelho da companhia chinesa possui tela IPS (com maior ângulo de visão) de 4,5 polegadas com resolução de 854x480 pixels, processador dual-core de 1 GHz, 4 GB de armazenamento interno (expansível para 32 GB com cartão microSD) e câmera de 5 megapixels. O aparelho tem 9,9 mm de espessura e pesa 150 g.

O Ascend G506 é dualSIM, roda Android na versão 4.1 Jelly Bean e é compatível com a tecnologia 3G.

Você pode comprá-lo aqui.